CHTS é centro de referência para colocação de “bombas de insulina”

O Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa já colocou cinco “bombas de insulina” em crianças seguidas na Consulta Multidisciplinar da Diabetes na Criança e Adolescente. Até ao final do ano, serão colocadas mais nove dispositivos em crianças e jovens com diabetes tipo 1.

O Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS) viu a sua candidatura aprovada pela Direção-Geral da Saúde, no âmbito do Programa Nacional para a Diabetes, e é, desde janeiro de 2018, Centro de Tratamento de Dispositivos de Perfusão Subcutânea Contínua de Insulina (PSCI).

Foram atribuídos ao CHTS, para o ano de 2018, um total de 14 dispositivos de PSCI, usualmente chamados de “bombas de insulina”. A colocação será feita de forma faseada, tendo as duas primeiras sido aplicadas a 16 de julho e, a 6 de agosto, foram entregues mais três dispositivos a três crianças, de cinco e seis anos, com diabetes tipo 1.

O Simão, a Rita e a Inês receberam assim uma “bomba de insulina” que lhes permitirá uma melhoria da qualidade de vida, uma vez que este dispositivo dispensa a administração de múltiplas injeções por dia, e uma melhoria do controlo glicémico, pois imita de uma forma mais próxima a secreção fisiológica de insulina pelo pâncreas. Os pais tiveram que passar por um processo de formação de 16 horas para aprender a lidar com este novo dispositivo.

Susana Lira, responsável pela Consulta Multidisciplinar da Diabetes na Criança e Adolescente, destaca “o facto de o nosso hospital ter, agora, a possibilidade de oferecer aos doentes portadores de diabetes tipo 1 esta modalidade de tratamento, o que constitui um importante avanço na qualidade assistencial, especialmente às crianças e jovens”.

Método menos doloroso e mais fisiológico

 

Edite Tomás, diretora do Serviço de Pediatria e Neonatologia, aponta como vantagem tratar-se de “um método menos invasivo, menos doloroso e muito mais fisiológico e que permite maior qualidade de vida”.

Carlos Alberto, presidente do Conselho de Administração, salienta a importância de o CHTS ser Centro de Tratamento porque, “se não fosse aqui no nosso centro hospitalar, estas crianças e famílias tinham que se deslocar para sítios mais distantes da sua área de residência e fazer aí também o acompanhamento”.

A diabetes tipo 1 é a mais comum entre as crianças e jovens. É uma doença autoimune, em que o pâncreas não consegue produzir insulina.

No âmbito do Programa Nacional para a Diabetes, o Ministério da Saúde pretende que, até ao final de 2019, todas as crianças até aos 18 anos com diabetes tipo 1, inscritas na plataforma da DGS, tenham acesso gratuito a tratamento com estas “bombas de insulina”.

CHTS é centro de referência para colocação de bombas de insulina
Partilhar: